topbella

domingo, 29 de julho de 2012

Capitulo 45 - Instantes de agonia.

Com uma das mãos ainda firme sobre a boca, Roberta continua abismada com aquilo tudo que acabara de ler. Não podia ser verdade... Como essa ‘tal’ pessoa podia demostrar tanta certeza a cada palavra digitada? Dizendo perfeitamente cada componente que fazia parte da sua vida? Nome, sobrenome, idade e endereço se destacavam numa fonte completamente exagerada. Na matéria ‘Roberta Messi’, esse tirava de letra.
As ameaças vieram logo abaixo num simples toque no sensor do mouse, a fazendo sentir um completo arrepio subindo da cabeça aos pés. Seus olhos se contraíram vidrando na tela outra vez, era como se ao menos por um instante toda aquela sensação a fizesse parar de respirar, o individuo esclarecia o estado a qual se encontrava Alice.
‘’Você tem o prazo de um pouco mais de uma semana...
A missão? Simples! Não se esqueça de lembrar a uma certa pessoa o que ela tinha tanta certeza a alguns dias atrás... Caso quiser dar uma de heroína tentando salvar o mundo, seu namorado sofrerá as primeiras consequências... E sua vida irá se tornar um completo inferno. ’’

As palavras ali expressadas eram como se estivessem estendendo sua mão a convidando a dar um simples passeio que como tema mostrassem a próxima enrascada em que iriam se meter.
Sem saber o que fazer ou até mesmo o que dizer a si, num movimento quase que automático as mãos refazem atordoadas o caminho até o topo de sua cabeça, mantendo os dedos afundados em meio a seus cachos dourados.
- ..Alice... Diego.. – Ela sussurra com uma pergunta invadindo sua mente de vez. ‘’Seria a ‘tal mulher’ que havia enfiado essa ideia absurda de gravidez a amiga?’’ – E aquilo tudo tinha uma trilha sonora horripilante dentro de sua cabeça. E os instantes de agonia vão se estendendo sem ela conseguir se quer uma reação que não fosse a de ficar ali pensando na possibilidade de reverter à situação sem precisar meter tudo mundo em perigo, o episodio da viagem e o sequestro já bastava pra ela, chega de sofrimento e desespero tinha ao menos o dever de poupa-los.
- .. Senti que precisava de mim... Conseguiu achar o ce.. – Alice para diante da porta de braços cruzados apenas a observando de costas. – Que foi? Tá tudo bem? Aconteceu alguma coisa? – A menina parecia sentir o coração apertado de Roberta pulsar também dentro do seu. Ela ainda tremia sem coragem de se virar. A amiga com certeza capitaria tudo só de olhar em seus olhos. – Olha pra mim... – Alice vinha se aproximando com pequenos passos.
- Não é nada... Se puder me dar licença eu preciso me trocar... – Roberta fecha o notebook de uma só vez respirando fundo.
- Me deixa olhar pra você... Desculpinha esfarrapada não cola assim tão fácil comigo, você sabe muito bem disso... Até porque você se trocou não tem muito tempo...
- Sai, por favor? – Ela escorrega a cadeira pra trás se levantando num único impulso, ainda assim permanecendo de costas.
- Oque você viu nesse computador que te deixou tão nervosa? – Alice para ao lado da escrivaninha procurando seus olhos. Carregando o objeto em mãos, Roberta caminha até a porta.
- Será que pra ter privacidade no meu próprio quarto, eu vou ter que te pedir muito? – Ela não a encarava, porém dizia seriamente. Alice estreita os olhos enraivecidos. Ao passar por ela nem meia palavra se quer é dita, logo atende seu pedido a deixando pra trás sem perder a posse. Ouve-se o barulho forte da porta, Roberta escorrega por de trás dela sentando ao chão.
- Droga! Droga! Droga! – Ela levanta furiosa como se quisesse arrancar os fios de cabelo grudados em seu coro cabeludo.


Carla fica a espera de informações agoniada. Os olhos pareciam vidrados no topo da escada que logo Alice faz questão de ressurgir com um semblante que a faz sentir calafrios, não demorando muito pra começar com seu pequeno interrogatório.
- Ela ligou?
- Ela tá estranha... – Ela desce cabisbaixa com uma das mãos firmes sobre o peito. O som de um carro bruscamente estacionado é ouvido o que faz as duas se olharem aflitas no mesmo segundo.
- Meu Deus que isso? – Carla se assusta caminhando até a porta.
- Alice! – Pedro surge nervoso, olhando por todos os lados.
- Cadê? Cadê a Roberta Carla? Me diz onde que ela tá? – Diego vem logo atrás não muito diferente.
- Ela não tá bem Diego... - Já grudada em Pedro, Alice o prepara com Carla logo terminando.
- Tá no quar... – Ele não precisou ouvir mais do que o necessário que o fez subir a escada feito louco.
- ..to! - A corrida brusca deixa o vento que passa por ela mover-se entre seus cabelos.
- Oque eu vou fazer agora? – Roberta anda por todo quarto. – Ai meu Deus e se eles já fizeram alguma coisa com ele? – Ela paralisa por alguns instantes pensando nessa possibilidade. O choro quase escapa, mais resgatando uma fina forte dentro de si o transforma como um nó na garganta. – Não... Não pode ser ele tá bem... – A maçaneta é bruscamente mexida. – Alice me deixa sozinha!
- Roberta! Abre a porta deixa eu te ver! – A voz do outro lado já denuncia quem seja.
- DIEGO! – Ela corre passando por cima da cama. Era o nome dele quem seu coração chamava, era só quem ele queria. Era nele que ela buscava suas forças, era ele a fonte. A certeza era grande e única, era nele, simplesmente nele que encontraria todo o apoio que precisasse.
- Graças a Deus! – Eles se abraçam forte. As testas permanecem unidas, a respiração rápida, deixando os olhos de ambos fechados, deixando os corpos conversarem pelos segundos que seguem, por que mesmo sem palavras estão dizendo a todo instante um pro outro o quanto se amam.
- Olha aqui pra mim... – As mãos que seguravam a cintura dela chegam em seu rosto. – Mesmo a quilômetros de distancia, em outro mundo ou talvez até em outra constelação... Eu quero que saiba que eu sempre vou vir até você pra te proteger, te mimar...
- Agente precisa um do outro mais que qualquer coisa... – Ela completa com lagrimas brotando em seus olhos. 
– Eu não vou cometer a mesma burrada pela segunda vez Diego...
- Eu sei meu anjo, nenhum dos dois... Nunca mais... – Ele acaricia seu rosto e a põe em seus braços novamente alisando sua cabeça.
- Me ajuda... – Ela o aperta afirmando pra si o jeito que sentem como se estivessem blindados do mundo lá fora, como se nada no mundo fossem os atingir.

- Confia em mim...
- Só me tira daqui e eu te explico.. Tudo. 
- Tá... Pra onde você quer ir?
- Pra onde você for pra qualquer lugar desde que você esteja junto comigo.. – Um sorriso se abre imediatamente em sua face, afinal Diego a lavaria do seu lado a todo e qualquer lugar... O infinito também passava por suas ideias. Daria ela o mundo, assim como deu o seu amor.
- Eu te amo. - Eles voltam a se olhar no fundo dos olhos.
- .. Você é tudo que eu preciso... – Os dois voltam a se aproximar lentamente gravando mais uma vez cada pedaço precioso que compunha seus rostos. - ..Eu amo você.. - Roberta sussurra pra ele tocando seus lábios. Respirando numa só frequência eles iniciam o beijo emocionados.


- Como assim o Tomás fugiu e você só me avisam agora? - Com a noticia inesperada, Carla nem da ouvidos a sua razão que insistia de todo modo para que ela ficasse ali, intacta sem demostrar um pingo que fosse dos seus sentimentos por ele.

- Calma Carla, ele não fugiu, ele sumiu!
- Que seja! Qual a diferença?! - Suas mãos faziam o favor de embaraçar seus cabelos.
- É ele tava no carro de repente viu uma mu.. - Alice disfarça o puxando pela parte de trás da camisa antes que a razão da amiga viesse à tona sem nem se importar com as consequências. - .. Viu uma.. Uma mula! É uma mula e saiu correndo feito louco! - Enquanto Carla franze o cenho, Alice segura o riso. - Eu já disse pra vocês que ele queria por que queria uma mula de estimação no ano passado?!

- Acho que ela já entendeu amor...
- Pedro só não me faz pensar duas vezes, ok?! - Com as alças da bolsa firmes em seu ombro ela corre em direção a porta sem querer ouvir mais nada.

- Carla!
- Já não basta o Tomás atrás da mula você também vai sumir?!

- Roberta! – A menina se surpreende com a amiga descendo as escadas a ponto de cair. – Aonde você vai?
- Vou... Vou sair com o Diego.. – Colocando uma parte do cabelo pra trás da orelha, ela revira a sala buscando a bolsa.
- Tá.. Ok passo ai daqui a pouco.. – Com uma das mãos apoiadas sobre o corrimão, Diego também desce em meio a uma ligação inesperada. Roberta se aproxima de Pedro o tirando de perto por alguns instantes da amiga.
- Não tira os olhos da Alice, nem por um minuto.. – Ela sai nem dando tempo para um simples ‘’por que’’ automático.
- Tá.. Tá podem ir a Carla já foi atrás do Tomás... A noite agente se fala.. – Ele responde ainda atordoado só esperando Diego fechar a porta.
- Quem ligou? – Roberta envolve o cinto na cintura.
- Do hospital... A equipe do seu Leandro quer falar urgentemente comigo...

Continua...


3 comentários:

luane caroline disse...

Nusss eu amei tadinha da roberta vai sofrer de novo ela já sofreu demais =(

Anônimo disse...

AFF...A Roberta e o Diego só sofrem deixa eles serem feliz e faz a Roberta ficar Grávida...PF

Livia Perry disse...

VC SE SUPERA CADA CAPÍTULO É CADA UM MELHOR DO QUE O OUTRO E DEIXA A ROBERTA SER FELIZ UM POUQUINHO ELA JÁ SOFREU DEMAIS E POSTA LOGO POR FAVOR ESTÁ DEMORANDO MUITO ESTOU ANCIOSA E FAZ A ROBERTA FICAR GRÁVIDA...
BEIJOS A SUA WEB É O MÁXIMO

Postar um comentário

Minha foto
Florianópolis, Santa Catarina, Brazil
Bem vindos a Web Novela Roberta e Diego. Viaje junto com agente na historia desse grande amor. Escrita por Gabriela Medeiros & Stefane Barcelos.