topbella

domingo, 30 de setembro de 2012

Capitulo 67 - ''Ella?''

... E amar? ... É mesmo muito fácil?.. Bom.. Quando tudo ainda se mantem como um verdadeiro conto de fadas, não me parece tão dificil. .. Tal como não existe. Mais e enquanto tudo não passa de um papo leve e sorriso farto?.. Alguns já fazem questão de deixar claro desde o inicio o fato de não aceitarem seus mais variados defeitos. Também dizem que é fácil amar o outro quando não se tem cobranças.. Acredito que sim até por que nada melhor do que um ser seguro de si, não é mesmo? .. Mais e quando um deles carrega o desprazer da culpa sobre os ombros, sem ter tido a intenção de cometê-la? ... Recorda aqueles domingos ensolarados? É. Férias de verão. Churrasco de domingo, festas agendadas no calendário, quando só se vê de vez em quando... Fácil. Difícil?.. É enfrentar todas as barreiras seja o grau que for, juntos.. Sem ao menos conviver com a ideia de a qualquer momento, desistir. É ainda amar incondicionalmente o outro, mesmo ele, não acreditando em mais nada. Quando ele, entende tudo errado. E paralisa. E perde o charme. O prazo. O chão. A identidade. A coerência. O rebolado. Nessas horas é que se vê o verdadeiro amor, aquele que é companheiro, que quer o bem acima de qualquer coisa. E é esse, o amor que dura pra sempre. Aquele mantidos por outras vidas, que não se permitem viver sem.. E isso sim é na verdade classificado como único.. O único que após a certeza pode ser pronunciado, respeitosamente chamado e devidamente sentido, AMOR.- Diego! Die.. – Seus olhos em caminho a procura desesperada, se viam capazes de ultrapassar qualquer vasta estrutura.
- Não foi a minha culpa.. – Ele murmurava de mãos na cabeça.
- Cadê voc.. Graças a Deus!.. – Ainda que assustada, ela jogava-se em meio a seu colo, um dos maiores modos de encontrar paz.
- Roberta?!.. Não! Você.. Ouviu? – Ele arregalava os olhos enquanto involuntariamente envolvia nela, seus braços. – Por que eu.. Eu não tive culpa eu.. Você sabe que não foi bem como ele descreve.. – Ele sentia as pernas dela se encaixavam perfeitamente lado a lado exalando então abundantemente o viciante perfume dela. – Achei que você já tivesse conseguido pegar no sono.. Não era pra você ter ouvido tudo e.. – O nervosismo dele era claro ao perceber as pesadas frases que adentraram seus ouvidos.
- Ei.. Olha pra mim?.. Só pra mim, ok?! – Cabisbaixo ele lutava para que não lhe transmitisse a verdade num simples encontro de olhar. – Eu te amo.. A pessoa que eu mais amo nessa vida.. – Ela desligava seu tom ‘‘ambiente’’. – Esqueci isso.. Só eu sei oque se passa nesse seu coração.
- Não consigo.. – Ele fechava os olhos, segura de que frente a ela podia ser quem sempre foi. – Mais eu também te amo.. Mais que tudo e todos.. – Ele recostava a cabeça próximo a seu pescoço.
 - Tem horas que eles não sabem o que dizem.. – Sutil, ela continuava da mesma forma. – Mais sabem do que juntos somos capazes..
- ..O resto da minha vida.. Eles vão nos atormentar desse mesmo jeito.. Por está mesma causa.. – Como numa casa lotado eles sussurravam um ao outro, dividindo seus ‘‘segredos’’. – Ele descobriu meu ponto fraco..
- Descobriram NOSSO, ponto fraco.. – Ela se permitia uma ênfase. – Mais você sabe que estamos juntos nessa.. – Olhando ao redor ela percebia a pequena parcela de escuridão.
- Ele sempre vai ser imprevisivel.. Sempre.
- Porque você o chamou de criança... – Ela assentia. – Mais do que ninguém você deveria saber qual seria a reação dele, certo?..
- E quais são os exemplos atuais de maturidade do Tomás?.. – Diego franzia o cenho.
- Pra você, ele sempre soube ser uma ótima companhia.. – Brincando com as mãos, ele relembrava o sincero discurso do amigo.
‘’
- E eu? Não poderia me orgulhar mais de você..’’
E aquela voz embargada de horas atrás, lhe vinha a cabeça com a exata frase.
- E quando te digo que ele é imprevisível.. Inesperado é por que.. Hoje? Hoje definitivamente ele me surpreendeu.. – Diego deixava seu meio sorriso escapar.
‘’ .. já passou por tantas provações e continua aqui.. Firme e forte.’’ – Levemente, ela tocava seu ombro.
- Ele conseguiu me dizer coisas que.. Sabe?! – Ele respirava fundo. – Se outra pessoa me contasse particularmente não acreditaria.. – ‘’.. Assim como eu tenho, quero que você também tenha certeza disso, você vai ter sua tão sonhada 'nova chance'..‘’
- E se te conheço bem você.. Nem ficou mais bravo por uma certa burrada..
Ela escorregava pra fora de seu colo.
- É.. Ele conseguiu me fazer esquecer essa parte.. Naquela hora. – ‘’ .. Sei que ainda vou poder te ver, sem essa dor mesclada no fundo dos olhos.’’ – Ela acariciava sua nuca.
- E parece que ele.. Faz de proposito, é incrivel como.. Ele sempre tem o que dizer como desculpa.. O que ele fez nunca é errado.. Não que eu esteja me classificando como perfeito.. Afinal ninguém é nem um dia vai ser mais.. –
‘’Você vai provar.. Mostrar pra si mesmo que pode e consegue fazer tudo ser diferente.. Você vai ver.’’  - Eu quem nunca entendi que a ordem sempre foi essa.. Ele faz o que não deve, agente discute, ele vai embora feito um louco.. É o que ele é e nunca vai deixar de ser.. – Eles entrelaçavam suas mãos. – .. Duvido muito que um dia o mundo faça algum sentido pra ele.. O fato é que todo mundo vai parar, brigar lá se vão mais inúmeras palavras incertas pra Carla e tá ai.. Ela vai continuar aceitando, ele vai ficar um tempo acreditando nessa mera ilusão criada por ele e alguns dias depois vai fazer o favor de voltar com força total!.. – Esfrengando o queixo, os dedos já podiam sentir os esperos pelos da barba. – .. Nem a maior surra da face da terra vai o fazer enxergar quem tem de ser.. E eu? Desisti de tentar fazer, com que ele acorde pra vida!..
- Mais e.. Cadê as boas lembranças das suas noites repletas de graça, onde um lugar tão proibido não era pareo pros três?.. – Ela espalmava a mão sobre seu peito. - Amigos não desistem um do outro.. Não como vocês. - Ela fazia uma breve pausa. - Só acredito que sem querer.. Acabamos é nos decepsionando.. Somos apenas pegos de surpresa por conta de nossos piores medos, sem mais nem menos serem jugaldos pelos outros, por um novo jeito de enxergar o tabuleiro.
- Não tiro a razão do seu ponto de vista.. Mais só que depois de tantas vezes caindo de cara no muro.. Essa infelizmente parece ser minha palavra final.
- Eu sei que você tá preocupado com ele.. Mesmo que ainda esteja aqui digerindo em silencio, todos os insultos.. Sem conseguir entender, você vai demorar muito tempo pra ligar pessoa à cena.. - Ele a olhava sereno, sem nem cogitar omitir. - To me sentindo exatamente desse mesmo jeito, com essa dor exposta no peito.. Só enfim tendo a certeza de que um dia, é claro, uma hora tanto pra mim quanto pra você isso tudo vai passar.. – Observadora, ela agora prestava a devida atenção em cada canto da sala. Minutos antes, acompanhada dos mais variados vultos, agoniada em meio ao quarto, a ventania insistia no estender das cortinas, de maneira impossivel já que além da porta, a sacada mantinha-se coberta pela venesiana. Obviamente não teria sido Diego. Bom, mais se não ele, quem então havia sido?
- Talvez não tivesse precisado realmente de tudo aquilo e.. Né?! O que acha? Eu tentei me.. – Com o olhar dela a ‘tempos’ não mais sobre os seus, ele a via esfregar os braços, sem nem imaginar o cômodo a partir de agora invadido pelo mais arrepiante ‘ar’ que tão logo era sentido. – Roberta? – Sem que ela o tocasse, próximo dela, o abajur inesperadamente, apagava-se.
- Diego!  – Levantando-se bruscamente, ela tremia.
- Ei calma meu anjo.. – Ele inclinava-se a mesa lateral. – Foi só o interruptor, deve ter encostado sem querer.. – Antes de trazê-la junto ao peito, sem recuar ele iluminava a sala novamente.
– Eu só devo estar muito cansada.. Agente deveria é.. Mais se você.. – Sem nexo, ela aprumava a camisa deixando os cachos por de trás da orelha.
- E branca. – Ele sentia suas frias mãos, assustando-se. – Roberta você tá da cor da minha camiseta.
- Eu só to meio tonta.. Foi só um susto.. Não se preocupe eu.. Acho que já tá na.. – Ela desviava os olhos dos seus. – ..Hora de fazermos desse longo dia uma só conturbada lembrança.. – Ela desistia ali de lhe contar as sensações, sentidas.

Nas alturas, Pedro enfrentava a viagem dos sonhos sem sua melhor companhia. Bom, não que a bela Carolina Melo, não fosse uma..  
- Suco de laranja, refrigerante diet em que posso servi-lo senhor? – A comisária de bordo já tinha muito bem gravada, todas as suas falas.
- Suco de laranja. – Longe, ele enfim escolhia uma opção. – Obrigado. – Ela deixava sobre a mesa, o copo mediano.
- Olá!.. Com licença.. – Após um ‘’século’’, ela voltava a sentar ao seu lado, exalando simpátia.
- Olha.. Desculpe se eu estiver me intrometendo mais.. – Pedro media suas palavras. – Pra uma mulher que acabou de terminar um relacionamento, você me parece muito bem resolvida.
- Ele nunca foi o melhor namorado do mundo. – O céu estrelado chamava sua atenção por entre a pequena janela. – Já você não deve ter gostado muito do presente..
- Até lá eu ainda te convenço a aceitar o meu dinheiro. – Por ‘precaução ou falta de mostrar o que fazer, ele firmava o cinto. –.. Nem perguntei quantos anos voc..
- Tenho dezenove.. – O percebendo sem graça ela era rápida.
- Dezoito.
- Pretende ficar muito tempo por lá? – Com a grande bolsa sobre seu colo, ela buscava agoniantemente algo.
- O necessário.. Ou até que meu cartão de crédito estoure o limite junto com as minhas férias.. – Eles riam.
- Você é engraçado.. – Libertando os olhos do fundo da ‘mala’, ela permitia-se o encarar um pouco mais.
- Agente faz o que pode, não?! Já que não recebi como meus amigos o dom da beleza e..
- Duvido que eles cheguem perto da sua. – No mesmo instante em pensamento ela chingava ferozmente a si própria.
- Faz faculdade? – Sem graça, Pedro esforçava-se a prosseguir em um novo ‘assunto’.
- Fa-faço.. – Corada em questão de segundos, sua voz agora fazia o favor de sair pela metade. – Biomedicina na ufrj.. Vai fazer dois anos.
- Não brinca?! Na minha opnião tudo relacionado a salvar vidas me deixa vidrado! – Ele a encarava empolgado. – Cursa por..
- Paixão. Completamente apaixonada pelo oque estudo. – Ela o admirava. – Mais já que gosta tanto, não me diga que pretende virar um médico?
- Bom um médico acredito que não mais.. Eu e meus amigos nos alistamos no exército.
- A sim!.. Acho que já entendi o que quis dizer.. Quer mesmo é literalmente salvas vidas, bela escolha. – Ela localizava os perdidos fones.
- É.. Depois de dois anos trancafiado num semi-internato.. Você acaba aprendendo a livrar os outros de roubadas..
- Mais e a banda? – Ele logo a olhava abismado.
- Você já ouviu falar sobre agente?
- Fique sabendo que o bar do seu Genaro é muito bem frequentado.. – Por mais qua agora estive a vontade, ela voltava a calçar as pesadas botas.
- Nossa eu.. Nunca imaginei que você já tivesse passado pela Vila lene..
- Numa saida com os amigos da faculdade.. – Ela explicava-se ainda inclinada.
- Cantar é realmente um dos nossos hobbys preferidos, sem contar que fazia sim parte dos nossos sonhos.. Mais infelizmente ninguém só faz oque agente gosta e nem pode viver disso por todo sempre.. – Sem se importar com seus espalhados pertences, enquanto ele falava, um por um ela os jogava dentro da bolsa.  
- Pra vocês é como se ela nunca deixasse de existir.. Já que vão poder relembrar sempre que quisserem.. – Com o fechar do ziper o grosso livro era deixado por ultimo.
- Também gosta de vampiros? – Ele observava a ‘horripilante’ capa.
- Ah! Enquanto uns cozinham, costuram, tricotam.. Eu continuo aqui completamente obcecada por eles.. – Ela mordia o lábio. – Alias qual o seu favorito? – Antes frio e indiferente, Pedro agora apreciava o doce som da sua voz.
- Não, não.. Não sou eu quem gosto.
- Ah claro me desculpe.. Afinal quem mais seria se não sua.. Eu não quis ser indeli.. – Depois de um dia difícil, alguém pode enfim lhe arrancar um inesperado e frouxo sorriso.
- Falo de um dos casais da banda.. Meus melhores amigos. – Ele alisava os braços. – Você me fez lembrar que.. Bom ela é fascina assim como você por vampiros..
- O namorado de..
- Não! – Ele sorria. – Ele não curte, mais respeita.
‘’ Atenção senhores passegeiros do voo 2974, aqui quem vos fala é o comandante, sobrevoando nosso destino (...)’’

'' – Você tá quentinha.. – .. O que foi em meu anjo? Dor de garganta minha pequena? – .. Eu tenho tanto medo quanto ela fica assim quietinha.. – Ella? Olha pra mim filha.. – Tá com fome minha princesa? – Ela ainda tá sem querer comer nada? – Desde hoje cedo.. – Que falar o que tá sentindo pro pai? Vem cá, vem.. – Ella? Não dorme não filha.. Deixa a mamãe buscar seu leite? Ai Diego, ela nem consegue me olhar direito..  – Eu ainda não entendi o porquê dos médicos não conseguirem explicar o que é isso.. – Será que não é esse quarto todo abafado? Oi? Ei minha bebê.. Isso meu amor, diz pro papai o que você tem.. (...)''

Continua...

8 comentários:

Bianca Rodrigues disse...

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Anônimo disse...

Posta + por favor
vcs postam o cap. inteiro ainda hj?

G.S MISSÃO I.M.A.G.I.N.A.Ç.Ã.O disse...

sim amor, postaremos ainda hoje

Anônimo disse...

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++ O que a Roberta tem?

juliana costa disse...

Posta Mais por favor

G.S MISSÃO I.M.A.G.I.N.A.Ç.Ã.O disse...

Lembra do cap anterior amor? Onde Diego e Tomás discutiram? Pois bem. Enquanto as palavras feriam um ao outro na sala, Roberta permanecia agoniada ainda no quarto, até que logo ela decidiu intervir. Só então ela percebe a porta trancada, e acontecimentos estranho como se alguem também pudesse observa-la.

Anônimo disse...

meninas posta mais um cap hj por favor muito curiosa ....
bjs

G.S MISSÃO I.M.A.G.I.N.A.Ç.Ã.O disse...

vamos postar sim amor, bjs

Postar um comentário

Minha foto
Florianópolis, Santa Catarina, Brazil
Bem vindos a Web Novela Roberta e Diego. Viaje junto com agente na historia desse grande amor. Escrita por Gabriela Medeiros & Stefane Barcelos.